Casamentos

CASAMENTO

O casamento é uma questão de justiça para as crianças porque é o único relacionamento que une as duas pessoas a quem as crianças têm um direito natural - sua mãe e seu pai. É uma união abrangente de cônjuges com um vínculo especial com os filhos. Cada uma de suas normas – permanência, monogamia e exclusividade – beneficia distintamente as crianças.

O governo pode autorização adultos a formar todo tipo de relacionamento consensual, mas a promover o único relacionamento – uniões masculinas/femininas ao longo da vida – que protege os direitos das crianças.

O casamento não é uma garantia de paternidade, mas é garantido que toda criança é produto de mãe e pai. O casamento é a melhor chance da sociedade de dar às crianças ambos... para a vida.

LEGISLAÇÃO DA MORALIDADE

O interesse do governo no casamento são as crianças. Conforme explicado no relatório federal de 1996 Lei de Defesa do Casamento (DOMA):

No fundo, a sociedade civil tem interesse em manter e proteger a instituição do casamento heterossexual porque tem um interesse profundo e permanente em encorajar a procriação responsável e a criação dos filhos. Com sua decisão sobre Obergefell v. Hodges, a Suprema Corte fez do casamento gay a lei do país, mas essas verdades persistem:

  • As crianças são o produto natural de uma relação sexual entre um homem e uma mulher.
  • Tanto o pai quanto a mãe são necessários e importantes para as crianças.
  • O casamento entre um homem e uma mulher é a melhor maneira de promover famílias saudáveis.

Pós-Obergefell, não há mais nenhuma instituição governamental ou política nos EUA que reconheça que as crianças devem ter mãe e pai. Fazer isso pode constituir discriminação.

A REDEFINIÇÃO DO CASAMENTO REDEFINIU A Paternidade

Em todos os lugares em que o casamento gay se torna lei, os direitos das crianças sofrem. Redefinir o casamento redefiniu a paternidade porque tornou homens e mulheres, e, portanto, pais e mães, legalmente intercambiáveis. Independentemente do que as leis de paternidade possam dizer, é impossível legislar sobre o anseio de uma criança por sua mãe e seu pai.

"Cresci cercada por mulheres que diziam que não precisavam nem queriam um homem. No entanto, como uma garotinha, eu queria desesperadamente um pai. É uma coisa estranha e confusa andar por aí com essa dor profunda e insaciável por um pai, por um homem, em uma comunidade que diz que os homens são desnecessários. Houve momentos em que me senti tão zangada com meu pai por não estar lá para mim, e outras vezes fiquei com raiva de mim mesma por querer um pai para começar.” – Heather Barwick, criada por duas mães

Quando a lei entra em conflito com os direitos naturais das crianças, ela envia a mensagem de que o anseio normal de uma criança por seu pai desaparecido é errado, não a própria lei. Legalizar o casamento gay é um gaslighting nacional de crianças com pais do mesmo sexo.

Paternidade “BASEADA EM INTENÇÃO”

A biologia é um fanático quando se trata de paternidade; insiste em uma mãe e um pai. Portanto, a única maneira de garantir que casais do mesmo sexo e do sexo oposto sejam tratados igualmente em questões de paternidade é substituir legalmente a biologia – um feito que só pode ser realizado substituindo a paternidade biológica pela paternidade baseada na intenção.

A paternidade baseada na intenção significa que qualquer adulto com recursos para adquirir um bebê pode fazê-lo independentemente da conexão de parentesco. Nenhuma verificação de antecedentes, supervisão ou estudos em casa são necessários. A paternidade baseada em intenção une a concepção do doador e a barriga de aluguel para formar a trindade profana que reduz as crianças a produtos de design compráveis. A legislação baseada na intenção é a maior ameaça legal aos direitos das crianças. Seus princípios violam as melhores práticas de adoção que consideram a separação dos pais biológicos como último recurso, prioriza o melhor interesse da criança e insiste no direito da criança à colocação segura, à não compra e aos laços de parentesco preservados.

A paternidade deve ser baseada apenas na biologia (com salvaguardas naturais) ou adoção (com salvaguardas embutidas).

POLIGAMIA: ENTRE EM ADULTOS DE ALTO RISCO

Longe de simplesmente ter mais adultos que podem amá-los e cuidar deles, a poligamia garante que adultos não relacionados compartilhem espaços com crianças. Assim, as taxas de negligência e abuso aumentam em lares poliamorosos, ao lado da competição e do ciúme entre adultos e crianças.

"Cresci em uma casa com meu pai, minha mãe e outra mulher. Eu odiava ver meu pai beijar outra mulher na minha frente. Eu ficaria com raiva de ver meu próprio pai com outra pessoa que não fosse minha mãe. Nunca contei a ninguém como me sentia. No final da minha adolescência, comecei a namorar duas garotas ao mesmo tempo, é claro, sem o conhecimento delas. No final, machuquei as duas garotas. Não foi até meus vinte e poucos anos que comecei a questionar minhas intenções, desejos e ações quando se tratava de namoro. Eu gostaria de ter apenas minha mãe e meu pai comigo na minha infância." -James

COABITAÇÃO ≠ CASAMENTO

Nos últimos cinquenta anos, o número de agregados familiares com casais em coabitação a criar filhos aumentou de menos de um em cem para um em cada dez. A coabitação é inerentemente instável e, portanto, prejudicial para as crianças. Crianças cujos pais se amontoam são:

  • Três vezes mais chances de ver seus pais se separarem.
  • Quatro vezes mais chances de sofrer abuso físico, sexual e emocional.
  • Quatro vezes mais chances de viver na pobreza.
  • Mais propensos a usar drogas, sofrer de depressão e abandonar a escola.

A OPOSIÇÃO AO CASAMENTO GAY NÃO É ASSIM COMO A OPOSIÇÃO AO CASAMENTO INTER-RACIAL?

Não, a intenção da legislação anti-miscigenação (anti-miscigenação) era impedir a criação de bebês interraciais. Tais proibições foram baseadas inteiramente na realidade de que o casamento é principalmente sobre crianças. Os filhos de casais interraciais têm mãe e pai, estão ligados a ambos os lados de sua família extensa e desfrutam de duas ricas heranças étnicas. Filhos de casais do mesmo sexo não têm mãe ou pai, não têm conexão com metade de sua família extensa e são alienados de metade de sua identidade biológica. O casamento inter-racial apoia os direitos das crianças, o casamento gay os viola.

Como Doug Mainwaring, um homem gay e defensor do casamento tradicional, aponta: “[É] impossível estar do lado certo da história e ao mesmo tempo estar do lado errado da lei natural”. Quando você está defendendo crianças, você nunca estará do lado errado da história.

Trechos do capítulo 4 de “Eles antes de nós: por que precisamos de um movimento infantil global”

Confira nosso novo livro!

Este livro combina pesquisa padrão-ouro com centenas de histórias de crianças, muitas das quais nunca foram contadas antes.

Chinese (Traditional)CzechEnglishFrenchGermanKoreanLatvianPolishPortugueseSlovakSpanish
Compartilhe Este