Já ouvimos tudo isso antes.

“Tudo o que as crianças precisam é estar 'seguras e amadas'.”

"O amor faz uma família."

“Tudo que uma criança precisa é de dois pais amorosos.”

Como sabem os defensores do Them Before Us, estas frases concisas só podem ser verdadeiras se ignorarmos a realidade biológica, a lei natural e os dados precisos das ciências sociais. A realidade é que uma mãe e um pai são so significativo para os filhos que produzem, que até o termo “paternidade” é um pouco impróprio. Vivemos hoje numa sociedade que finge que estas diferenças não existem, e isto teve implicações de longo alcance para a sociedade.

BUT o que torna este homem e mulher tão significativos para o filho que produzem juntos?

Assuntos de Biologia

"A maioria dos estudiosos agora concorda que crianças criadas por dois pais biológicos em um casamento estável se saem melhor do que crianças em outras formas de família em uma ampla gama de resultados.” -Woodrow Wilson School of Public and International Affairs da Princeton University e da Brookings Institution

ACESSO AOS PAIS BIOLÓGICOS = ACESSO À IDENTIDADE BIOLÓGICA

Todos os humanos fazem a pergunta existencial: “Quem sou eu?” Enquanto as crianças em lares tradicionais têm acesso à sua identidade em relação aos laços de parentesco (incluindo laços com a família extensa), os adotados e pessoas concebidas por doadores devem formular seu senso de identidade sem isso.

  • 72% dos adotados querem saber por que foram entregues para adoção
  • 65% expressaram o desejo de conhecer seus pais biológicos
  • 94% expressaram o desejo de saber com qual dos pais biológicos eles se parecem mais – Pesquisa do Congresso Americano de Adoção
  • 64% dos adultos concebidos por doadores concordaram “Meu doador é metade de quem eu sou”.
  • 78% concordaram que ser concebido por um doador era uma parte significativa de sua identidade
  • 81% muitas vezes se perguntaram quais traços de personalidade, habilidades e/ou semelhanças físicas eles compartilhavam com seu doador – Somos uma pesquisa concebida por doadores

A conexão com a mãe e o pai biológicos não apenas oferece tudo isso aos filhos, mas também a segurança e o amor que os filhos sentem ao testemunhar o amor entre eles. deles mãe e pai não podem ser totalmente replicados com qualquer outro arranjo familiar:

Há alguns anos, o psicólogo infantil Pat Fagan compartilhou uma visão adquirida em sua prática familiar de décadas que me chocou. Ao longo de milhares de sessões aconselhando centenas de famílias, Fagan observou uma dinâmica universal. Quando as crianças testemunharam a sua própria mãe e o seu pai a amarem-se, sentiram como se os seus pais estivessem a amar eles. Na opinião de Fagan, o vínculo mãe-pai é a única relação humana através da qual alguém pode vivenciar o amor indiretamente, um amor sentido exclusivamente pelo filho. – Eles antes de nós, Biologia é importante, p27

Leia A história de Miguel:

Sou eternamente grato pela minha vida, pelo amor de Deus demonstrado à minha mãe ao responder à sua oração e por todos os milagres que tiveram que acontecer para que eu estivesse vivo e saudável hoje. Meu irmão e eu nascemos 3 meses antes, com aproximadamente 26 semanas de gestação, e pesamos cerca de 2 quilos cada. No entanto, tendo agora 28 anos e tendo refletido extensivamente sobre o crescimento como filho de mãe solteira concebido por um doador, não aconselharia nenhuma outra mulher ou casal a conceber um filho desta forma.

Lembro-me vividamente de desejar um pai enquanto crescia. Às vezes era muito específico, principalmente quando eu via outras crianças com pais amorosos e envolvidos e outras vezes era mais uma sensação de saber que faltava alguma peça na minha vida.

Assuntos de gênero

Se as diferenças de género não importassem na criação dos filhos, então as crianças não perderiam quaisquer benefícios parentais únicos em lares sem pai. No entanto, este não é o caso. As diferenças de género são reais e têm um impacto significativo nas crianças. Por exemplo, crianças de lares sem pai são mais propensas a envolver-se em atividades sexuais cedo na vida, são mais propensos a viver na pobreza, e têm maiores chances de delinquência e abuso de drogas.

É verdade que há crianças que cresceram em lares adotivos, orfanatos, com pais adotivos, pais do mesmo sexo ou em famílias monoparentais que se destacam na vida. No entanto, estas excepções não anulam a fato bem estabelecido que “dois pais – um pai e uma mãe – são melhores para uma criança do que um dos pais”. Também é importante notar que ter pai e mãe juntos num agregado familiar, por si só, não é suficiente. Os pais e as mães devem estar envolvidos com os seus filhos e a relação entre o pai e a mãe deve ser uma relação de baixo conflito. Estas são as condições que mais beneficiam as crianças.

Considerar A história de Roberto:

Eu não tinha nenhuma figura masculina para seguir, e minha mãe e seu parceiro eram diferentes dos pais tradicionais ou das mães tradicionais. Como resultado, eu tinha muito poucas dicas sociais reconhecíveis para oferecer a potenciais amigos homens ou mulheres, uma vez que não era confiante nem sensível aos outros. Assim, raramente fazia amizade com pessoas e alienava outras facilmente. Os homossexuais que cresceram em famílias de pais heterossexuais podem ter lutado com a sua orientação sexual; mas quando se tratava do vasto universo social de adaptações que não tratavam da sexualidade – como agir, como falar, como se comportar – eles tinham a vantagem de aprender em casa.

Casamentos

O casamento é uma questão de justiça para os filhos porque é a única relação que une as duas pessoas a quem os filhos têm um direito natural – a mãe e o pai. É uma união abrangente de cônjuges com uma ligação especial com os filhos. Cada uma de suas normas – permanência, monogamia e exclusividade – beneficia distintamente as crianças. O governo pode autorização adultos a formar todo tipo de relacionamento consensual, mas a promover a única relação - uniões duradouras entre homens e mulheres - que protege os direitos das crianças. O casamento não é garantia de paternidade, mas garante que todo filho seja produto de mãe e pai. O casamento é a melhor chance da sociedade de dar ambos aos filhos... para o resto da vida.

O interesse do governo no casamento são as crianças. Conforme explicado no relatório federal de 1996 Lei de Defesa do Casamento (DOMA):

No fundo, a sociedade civil tem interesse em manter e proteger a instituição do casamento heterossexual porque tem um interesse profundo e permanente em encorajar a procriação responsável e a criação dos filhos. Com sua decisão sobre Obergefell v. Hodges, a Suprema Corte fez do casamento gay a lei do país, mas essas verdades persistem:

  • As crianças são o produto natural de uma relação sexual entre um homem e uma mulher.
  • Tanto o pai quanto a mãe são necessários e importantes para as crianças.
  • O casamento entre um homem e uma mulher é a melhor maneira de promover famílias saudáveis.

Podemos ver quão importante o casamento foi e é para os filhos ao vermos quão prejudicial tem sido o divórcio. Confira essas nove histórias de crianças quando souberam que o casamento dos pais havia acabado:

Quando eu tinha 11 anos, voltei da Escola Bíblica de Férias e minha mãe me disse que estava se mudando e se divorciando do meu pai. Ela sabia que eu estava ciente de seus assuntos. Eu me senti suja, como se fosse culpada por associação. Isso me deixou incrivelmente insegura quando alguém disse que eu parecia com ela/lembrava dela. Isso me afastou desse lado da minha família. — Ava

Eu tinha 5 anos quando meus pais se divorciaram. Para ser honesto, não me lembro de um momento em que eles sentaram minha irmã e eu e nos contaram. Apenas nos lembramos de papai ficar fora por meses antes de voltar para a cidade e eu começar minha visitação. – Chapman

Com a nossa campanha #ANDnotOR, neste Dia das Mães e Dia dos Pais, convidamos todos os adultos que se preocupam com as crianças a ajudar a criar uma cultura que proteja o direito de toda criança à sua mãe e ao seu pai. Junte-se a nós nesta campanha vital para afirmar que tanto as mães como os pais são importantes – não como uma opção intercambiável, mas como um par unido e essencial para a criação de crianças saudáveis ​​e felizes. Vamos defender a causa que apoia o bem-estar da nossa próxima geração, garantindo que eles tenham o amor e a orientação da mãe e do pai. O seu apoio aproximar-nos-á de um mundo onde os direitos das crianças aos seus pais biológicos não são apenas reconhecidos, mas também celebrados.

Quando você doa para nossa meta de US$ 50,000, você está dando para os 50% das crianças:

… Cujos direitos à mãe e ao pai foram negados

… Que sofreram ruptura familiar

…Que tiveram que fazer coisas difíceis em nome dos adultos

… Cujos direitos foram sacrificados aos desejos dos adultos

Esperamos que neste Dia das Mães e dos Pais você se junte ao movimento!